Daria Manina

AFP

 

No Oriente Próximo os arqueólogos sentem a terra fugir-lhes aos pés no sentido mais exato destas palavras. A guerra de dez anos, travada no Iraque, destruiu camadas culturais únicas das cidades bíblicas. Centenas de milhares de artefatos foram perdidos, foram destruídos muitos monumentos e santuários. Agora surgiu a ameaça de destruição dos objetos arqueológicos da Líbia e da Síria.

O berço da civilização perde as provas da sua qualidade de antecessor. Houve épocas em que textualmente em cada metro quadrado do território do Iraque se podia encontrar achados únicos, se não na superfície da terra, pelo menos, no subsolo. Mas os dez anos de bombardeios e de tiroteios fizeram-se sentir. A maquinaria de guerra pesada destruiu as camadas do solo que eram depósitos de monumentos arqueológicos, muitos dos quais jamais chegaram a ser estudados. O presidente do Instituto do Oriente Próximo Evgueni Satanovsky comenta a envergadura de danos causados:

“Podemos referir o Iraque como um tesouro arqueológico do passado. Durante séculos, depois da derrocada do Califado Omíada, o centro da potência árabe mundial encontrava-se em Bagdá. Todos os tijolos que sobraram no Iraque depois da escovação o local em que se encontrava o portão da deusa Ishtar e os tesouros de ouro da época suméria – tudo isso desapareceu totalmente.”

As bombas americanas arrasaram da face da terra os museus de Tikrit e de Mosul, onde se encontravam coleções assírias ricas de Nínive e de Nimrud. Todavia, os historiadores temiam mais de tudo as pilhagens. E as pilhagens não faltaram: muitos objetos de valor do Museu Nacional de Bagdá foram roubados. O chefe do Departamento de combate ao contrabando da Jordânia Damin Al-Fawaz revela, aonde estes objetos preciosos tinham ido.

“Depois da guerra, o processo de pilhagem de artefatos de museus no Iraque “atingiu o mais alto nível” e a Jordânia foi utilizada na qualidade da zona de trânsito, em que se faziam os ajustes sobre o transporte destes artefatos para a Europa e para os EUA. O trajeto destes objetos pode ser seguido graças a informações recolhidas pelos investigadores na Jordânia e no Iraque.”

No Museu Nacional foram pilhados ao todo mais de 170 mil objetos. Alguns peritos russos opinam que esta foi uma obra de um bando de saqueadores profissionais. Um fato que comprova isso é que no museu tinham sido destruídos os livros de inventário. Os historiadores afirmam que as chances de recuperar a coleção são mínimas. Da mesma maneira que os arqueólogos voltem um dia para o Iraque, acrescenta Evgueni Satanovsky.

“Infelizmente, podemos afirmar com toda a certeza que durante os próximos anos, ou, mais provavelmente, décadas, no território do Iraque não serão realizadas escavações arqueológicas e se forem, apenas em alguns territórios muito restritos.”

A comissão da UNESCO está seriamente preocupada com a situação em Bagdá. O Iraque arrasado, com crateras de projéteis no local de objetos históricos, faz lembrar a paisagem que se abria à vista no vale de Bamiyan, no Afeganistão, em 2001, quando os islamitas explodiram aí gigantescas estátuas de Buda, criadas no século II. Quem manifestava então a indignação especialmente ardente, eram os EUA. Mas pouco depois começou a campanha militar no Iraque. E agora, passados dez anos, pode-se fazer o seu balanço: bombas americanas destruíram mais de cem mil monumentos sumérios, babilônicos, assírios, persas e islâmicos de arte e de cultura. Infelizmente, o mesmo se repete agora na Síria e na Líbia. Nestes países também foram destruídos dezenas de objetos históricos.

fonte    Daria Manina   @ voz da Rússia

Anúncios

Sobre Ronaldo adriano

Blog de noticias e entreterimentos http://ronaldoadrianolelo.blogspot.com.br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s